Editorial

Sociedade e Mundo

# O que ofereceria à República?
Vox Populi

Não queremos retroceder ao Século XIX
Precári@s Inflexíveis

Ciências Sociais

# A I República portuguesa no pós-guerra
(1919-1926): para uma nova leitura.

Ana Catarina Pinto

Crónica de tempos que correm: do "testamento vital"
Lucília Nunes

Arquitectura e Design

# Design/Mudança/Poder
Susana Branco

A Cidade das Entrelinhas
Marina Pedreira de Lacerda

Arte e Entretenimento

# Benoliel: ao Serviço de Sua Majestade
Tiago de Brito Penedo

À Procura da Incredibilidade Semanal
Rodrigo Nogueira

Benoliel: ao serviço de Sua Majestade
Tiago de Brito Penedo

Seriam cinco da tarde do dia 1 de Fevereiro de 1908 quando a comitiva real desembarcou do vapor D. Luís, no Terreiro do Paço. Após uma temporada de caça em Vila Viçosa, D. Carlos regressa a Lisboa, acompanhado pela rainha D. Amélia e pelo Príncipe Real D. Luís Filipe. O Infante D. Manuel já se encontrava em Lisboa há alguns dias, tendo antecipado o seu regresso por força dos estudos como aspirante na Marinha. No tempo que antecedeu a chegada da comitiva, Benoliel ocupara-se a tomar vários instantâneos do filho mais novo do Rei, e dos elementos da hierarquia do estado que o acompanhavam. Porém, chegada a comitiva real, o fotógrafo tratou de registar o momento do desembarque e, acondicionando o material fotográfico num carro, seguiu para o Palácio das Necessidades, onde tencionava registar a chegada do séquito à residência real. Mas, em lugar do esperado cortejo, chegaram-lhe antes as notícias que epidemicamente se espalharam pela capital: o Rei e o Príncipe Real tinham sido assassinados. O ubíquo Benoliel, responsável pela grande maioria dos exclusivos jornalísticos da vida portuguesa de então, tinha falhado o acontecimento mais relevante da sua carreira fotográfica. Uma situação que se repetiria – em circunstâncias distintas – dez anos depois, aquando do assassinato do Presidente-Rei, Sidónio Pais. Para entender plenamente o homem por detrás da câmara, impõe-se olhar para a sua história familiar: os Benoliel são uma família judaica que, pelo século XVIII, se encontrava estabelecida em ambas as margens do Mediterrâneo ocidental.

As suas ocupações eram sobretudo comerciais, desempenhando também papéis importantes na comunidade hebraica em que se inserissem. Esta rede de contactos potenciava não apenas os negócios dos vários membros da família, mas também o prestígio diplomático de alguns destes, caso do bisavô de Joshua, Don Judah Benoliel, que desempenhou funções de cônsul da Áustria e de Marrocos em Gibraltar. Também sabemos que Solomon Benoliel, trisavô de Joshua, teve a possibilidade de encontrar refúgio na cidade marroquina de Tânger por altura do Grande Cerco de Gibraltar pelas forças hispano-francesas (entre 1779 e 1783). Este intercâmbio trans-mediterrânico dotava a família de um cosmopolitismo que se reflectiria nas gerações seguintes.

A partir de 1800, com a redução do poder da Inquisição, e depois com o advento da monarquia constitucional, os judeus foram novamente autorizados a instalar-se em Portugal, e algumas discretas comunidades surgiram, principalmente em Lisboa, nos Açores e em Faro. Não conhecendo as circunstâncias exactas da chegada dos pais de Joshua ao país, podemos afirmar com algum grau de certeza que estariam incluídos nesta dinâmica de intercâmbio mediterrânico, de que as comunidades judaicas portuguesas passaram a fazer parte. Súbdito britânico, Judah Benoliel ter-se-á deslocado de Gibraltar para Lisboa antes de 1865, pois foi esse o ano em que se uniu em matrimónio a Ester Levy na capital portuguesa. As deslocações motivadas pela sua actividade aduaneira obrigam-no a uma curta estadia intermédia em Londres onde, em 1867, nasce Hannah, a irmã mais velha de Joshua. Mas este nasceria já em Lisboa, no dia 13 de Janeiro de 1873.

Desta forma, os primeiros anos de vida de Joshua seriam passados na casa dos pais, num segundo andar da Praça Luís de Camões. Anos depois, a família mudar-se-ia para nova habitação, na Rua Nova da Trindade, então chamada Rua do Secretário de Guerra. Mesmo depois de se casar, Joshua Benoliel não se distanciaria muito da residência paterna, habitando um apartamento na Rua Ivens. Toda a sua vida familiar seria, portanto, passada numa área de escassas centenas de metros, justificando a designação de "rapaz do Chiado" que lhe atribui Joaquim Vieira. Este facto marcaria de forma indelével a sua vida adulta: à data, o Chiado era o centro da agitação social; era aí que primeiro chegavam as notícias do exterior, ou onde o jovem se cruzaria com todas as personalidades da época.

Nada sabemos sobre a sua infância, ou sobre a educação formal que lhe foi ministrada. Sabemos sim que dominava várias línguas – além do português, o castelhano, o inglês e o francês – e que possuía o trato de um gentil-homem, sendo capaz de se apresentar adequadamente em qualquer situação. Mas estas características podem simplesmente ser resultantes da educação familiar, na qual a apresentação e a capacidade de comunicação eram ferramentas essenciais para o bom desempenho das tarefas do comércio. Não podemos descurar o facto de que Joshua era filho de um cidadão britânico, e que ele próprio manteve essa nacionalidade, identificando-se toda a vida como tal. O seu pai era não apenas britânico, mas um britânico de Gibraltar, um enclave em território espanhol, e que mantinha relações comerciais e familiares em territórios francófonos do norte de África.

Na senda da carreira aduaneira do pai, tornou-se despachante alfandegário em Lisboa, ainda com 19 anos de idade. Mas o entusiasmo do jovem voltava-se então para os desportos, que conheciam então uma expansão considerável e se tinham tornado um dos passatempos preferidos da população. No início da década de 90 do século XIX associa-se ao Real Ginásio Clube Português, onde Benoliel viria a desempenhar diversas funções directivas. Mas, à época, era a prática da educação física que o fascinava, e envolver-se-ia em diversas modalidades, principalmente o foot-ball, que tivera a sua primeira apresentação em Portugal no ano de 1889. Desconhecemos se alguma vez integrou a equipa do RGCP como praticante, mas existem registos do seu nome como fiscal de linha ou árbitro dos jogos. Contudo, o seu primeiro grande projecto foi de teor jornalístico. Em 1894, associa-se a outros sócios do RGCP, e lança o primeiro número do jornal O Sport.

A evolução da actividade fotográfica acompanhou de perto a expansão da prática desportiva, e em breve este se tornaria um dos assuntos preferidos das objectivas. Não sabemos ao certo qual terá sido a influência decisiva para o interesse do jovem Benoliel pela prática fotográfica: por um lado, tinha essa influência do mundo do desporto, tema aliciante para um número crescente de fotógrafos; por outro, existe indicação de que terá convivido em contexto laboral com o fotógrafo amador José Chaves Cruz, que também exercia funções como despachante aduaneiro. Certo é que as primeiras fotografias assinadas por Benoliel surgiram no no 139 do quinzenário O Tiro Civil, retratando as "Regatas do Centenário", que comemoravam os 400 anos da viagem de Vasco da Gama à Índia. A partir daí, o seu nome passa a aparecer nos créditos da publicação como colaborador artístico.

Em Outubro de 1898 participa numa exposição fotográfica em Cascais, onde também exibiriam os seus trabalhos o próprio rei D. Carlos, e outros elementos de relevo da nobreza e burguesia de Portugal. Continua a trabalhar como despachante alfandegário, publicando simultaneamente os seus trabalhos em diversas publicações: Mala da Europa, Brasil-Portugal e Ocidente, além do já mencionado O Tiro Civil. A transição para a actividade de fotógrafo profissional dar-se-ia por volta de 1902, alargando também o âmbito das suas reportagens fotográficas: acompanhava agora também a vida da Corte, desde as caçadas reais em Vila Viçosa até às visitas de chefes de estado estrangeiros, como a de Afonso XIII de Espanha ou a de Eduardo VII de Inglaterra. O fácil trato de Benoliel granjeava-lhe as maiores simpatias por parte da corte portuguesa, e principalmente do rei D. Carlos, o que lhe facilitava grandemente as tarefas de fotógrafo. Mas também era notório o afecto que lhe concedia o monarca espanhol que, muitos anos depois da sua visita a Portugal, o reconhece na gare de San Sebastián como se de um velho amigo se tratasse.

A sua carreira fotográfica conheceria um desenvolvimento exponencial a partir de 1904, quando se torna correpondente artístico do jornal espanhol ABC (o mais antigo dos três maiores periódicos generalistas espanhóis ainda em publicação) e da prestigiada revista ilustrada francesa L'Illustration. Inicia-se também, por estes anos, a sua colaboração de longa data com a revista Ilustração Portuguesa, propriedade da empresa editorial de O Século, onde publicaria algumas das suas mais famosas reportagens. Para isso contribuiu o acesso privilegiado que Benoliel detinha junto das mais altas individualidades portuguesas, mas também a sua capacidade para captar os momentos do quotidiano de uma forma original e espontânea, estilo que o fotógrafo faria progredir em qualidade ao longo da sua carreira. Acima de tudo, Benoliel beneficiava da sua afabilidade e desembaraço, cultivando uma longa lista de contactos, que não só lhe franqueavam o acesso aos locais e eventos, como lhe faziam chegar em primeira mão as notícias relevantes. Acompanhando a Corte nas deslocações que esta empreende ao estrangeiro, como a visita de D. Carlos a Inglaterra, consegue que o Conde da Ribeira e o ministro Vilaça lhe facilitem os passos junto das zelosas forças policiais inglesas.

Acompanha com diligência a vida política do país, desde o governo de João Franco aos eventos que culminariam no golpe de estado republicano de 1910. Pelo meio falha o instantâneo crucial do Regicídio o que, confiando na intuição que lhe era reconhecida, poderia ter revelado toda a dimensão do conluio republicano. Mas essa falha não constituiu apenas um embaraço profissional: homem da confiança de D. Carlos e monárquico convicto até ao fim dos seus dias, Benoliel perdeu nessa data um amigo e uma referência de Estado. Compensou a omissão, produzindo as primeiras imagens que foram vistas no estrangeiro do homicídio real, dos assassinos executados, e dos eventos que conduziriam à entronização de D. Manuel II. Manteve, contudo, a integridade profissional que sempre o caracterizara, e que o tinha levado a retratar as manifestações republicanas antes de 1910 ou a aquiescer à recusa de Aquilino Ribeiro a ser fotografado aquando de um incidente que envolvia um acidente com dois bombistas carbonários. Seria esta imparcialidade, a heterogénea rede de contactos que possuía em todos os quadrantes políticos e a sua nacionalidade britânica que lhe permitiriam continuar a praticar a sua actividade após o golpe de estado de 1910, sem se sujeitar à perseguição política que então se movia não apenas a monárquicos mas também a diferentes sensibilidades dentro do novo regime. Conta-se que, a uma pergunta traiçoeira acerca da sua lealdade monárquica ou republicana, terá respondido que era, isso sim, fotógrafo.

É a Benoliel que se devem os primeiros instantâneos da movimentação dos dias 4 e 5 de Outubro de 1910 na Rotunda, beneficiando com isso O Século, que os publicaria em primeira mão. E o regime republicano serve-se – como a monarquia o havia feito antes – dos seus serviços fotográficos para divulgar a imagem que pretendem transmitir a um povo tomado de surpresa pelos eventos de Lisboa. Desta forma, capta e transmite as caras do novo regime, em clichés que ecoarão por toda a Europa. Continua a dedicar a sua atenção às convulsões políticas – as greves, os golpes de estado, as permanentes dissenções governativas – mas também insiste nas cenas do quotidiano, nos quais consegue alguns dos seus melhores trabalhos. Acompanha, em Portugal e no estrangeiro, as movimentações do Corpo Expedicionário Português, que participará nos confrontos bélicos da Grande Guerra a partir de 1917.

Mas, entre a carestia de preços provocada pela guerra, a débil situação financeira do país, e as perseguições à imprensa por parte do novo regime, os jornais debatem-se com dificuldades: reduzem o seu investimento e alguns chegam mesmo a encerrar as portas. Benoliel, um free-lancer cujos rendimentos dependiam da quantidade de clichés que conseguia vender às publicações, debate-se também com dificuldades. Casado desde 1899 com Simy Bento Ruah, tinha agora três filhos: Judah, David Michael e Esther. Abandona com pesar, e consternação geral dos seus colegas, a actividade fotográfica profissional, a partir de 1918. Com base nos mesmos predicados que tantas portas lhe haviam aberto no fotojornalismo, torna-se gestor de relações públicas de uma cadeia hoteleira. Continua, claro, a fotografar o que lhe apraz, sempre que as novas funções lhe permitem a disponibilidade. Mas falhará, mais uma vez, um assassinato de relevo, desta feita o de Sidónio Pais, ainda em Dezembro de 1918. Os seus clichés são agora episódicos, mas continuam a ser publicados, sempre que relevantes, até mesmo nas publicações estrangeiras com as quais colaborava.
Mantém uma paixão pelos espécimes bibliográficos raros, que o leva a ser representante em Portugal da famosa livraria antiquária londrina Maggs Brothers. Se a fotografia o tinha aproximado de D. Carlos, é a bibliofilia que o identifica com o exilado D. Manuel II, que visita mais de uma vez em Londres. A venda em hasta pública de 1600 lotes de livros antigos em 1939, já após a sua morte, demonstra bem a paixão que Benoliel nutria pelos livros.

Mas, em 1924, o seu amor pelo jornalismo fala mais alto, e cede ao convite de João Pereira da Rosa para chefiar os serviços fotográficos de O Século. As funções permitem-lhe acompanhar a nova dinâmica que começa a percorrer o país, e que culminaria na instituição da Ditadura Militar – precursora do Estado Novo – em 1926. A bonomia de Benoliel leva-o, mais uma vez, a conquistar as simpatias do novo regime, e enceta a partir de então uma relação de amizade com o então general Óscar Carmona. O Século segue os acontecimentos com atenção, mas não conhecemos ao certo o papel de Joshua Benoliel nas reportagens que então se publicam.
Sofrendo de diabetes, é afectado por uma pneumonia, finda a qual uma uremia lhe ceifa a vida, na última hora do dia 3 de Fevereiro de 1932. Subsiste a extensa obra, mas também a memória da figura típica, conhecida por todos e que, chamando para a sua objectiva a atenção, bradava com uma voz poderosa, nas ruas de Lisboa: "é para O Século!"

 

 

Bibliografia Sumária

ABECASSIS, José Maria. Genealogia Hebraica: Portugal e Gibraltar sécs.
XVII a XX. 5 vols. Lisboa, Férin, 1990-1991.

Arquivo Gráfico da Vida Portuguesa: 1903 - 1918. Prefácio de Rocha
Martins. Lisboa, Bertrand, 1933.

BORGES, José Pedro de Aboim. Joshua Benoliel: Rei dos Fotógrafos.
Tese de Mestrado em História da Arte apresentada à Faculdade de
Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa.
Lisboa, [s.n.], 1984.

PINHEIRO, Nuno Avelar. Pelos Séculos d'O Século. Lisboa, Torre do
Tombo, 2002 RIBEIRO, Aquilino. Um escritor confessa-se.
Lisboa, Bertrand, 2008.

SILVA, Teresa Parra da. Joshua Benoliel: Repórter Parlamentar.
Lisboa, Assembleia da República, imp. 1989.

TAVARES, Emília (coord.). Joshua Benoliel, 1873-1932: Repórter
Fotográfico. Lisboa, Câmara Municipal, 2005

VIEIRA, Joaquim. Fotobiografias do Século XX: Joshua Benoliel.
Mem Martins, Círculo de Leitores, imp. 2009

 

Share |


© PROJECTO10 - 2010 . PROJECTO10 - Revista Digital Temática - 10 Números 10 Temas.