ARTE E ENTRETENIMENTO
João Tibério

Não é por o mundo não parar de girar, que temos de ficar agoniados.
Italo Svevo

O mundo gira, as artes transformam-se, o público exige novidade. A modernidade enche-se de teorias sobre o mundo, sobre a arte e sobre a sua própria semântica. Podemos não ficar agoniados, mas ficamos certamente confusos.

É, talvez, na questão da identidade que se navega mais revoltosamente nas artes. Identidade é o conceito principal na definição de um indivíduo, objecto, área ou grupo. Esta concepção e as suas diferentes formas têm obrigatoriamente uma importante noção central: a relação eu-outro . Logo, o identitário define-se forçosamente pela existência do outro e pelas suas diferenças e semelhanças. Este vínculo desejado ou indesejado pelo indivíduo é indissociável da reflexão sobre o mundo artístico.

Discute-se qual O primado da acção humana, e esquece-se que social, política, economia ou arte são apenas algumas das faces de um cubo que é o mundo. De um cubo que descobriu a sua identidade esférica, global.

Quando se pensa a identidade nas artes esta relação ganha realmente um destaque fulcral, procurar, por isso, uma identidade geral e transversal nas obras que aqui surgirão lembra a questão do sexo dos anjos , é divertida e discutível mas é tautológica, não avança, não conclui, encerrando-se sobre si própria.

É ponto assente que a identidade desta secção é apenas uma, a total e plena liberdade artística do autor. Não pretendemos apenas classificar, pretendemos dialogar tendo em conta que na contemporaneidade as correntes são menos explícitas e as identidades autorais resultam de fusões, recompreensões e reconceptualizações, e, sobretudo, que a identidade desta revista advém de uma partilha interdisciplinar.

 

 

Share |


© PROJECTO10 - 2010 . PROJECTO10 - Revista Digital Temática - 10 Números 10 Temas.